Topo

Traição está em alta: você e seu cônjuge já conversaram sobre o assunto?

Universa

15/08/2019 04h00

(crédito: iStock)

Traição virou assunto. Virou mercado. Tem reportagem especial e serviços direcionados. Tem TED com milhares de views e muita gente disposta a gastar seu tempo discutindo, assistindo ou lendo sobre o assunto.

Desde os mais bem intencionados –que estão em busca de um jeito honesto e sustentável de manter o casamento– até a galera da mentira deslavada e sistêmica: está todo mundo a procura do melhor caminho para equacionar amor, sexo, parceria, tesão, projetos comuns, privacidade, lealdade, desejo e mais um par de coisas que varia de casal pra casal.

Só que no meio da caminho tem a tal traição.

Ela está cada vez mais na pauta basicamente por dois motivos. Um: porque tem muita gente que não está a fim de ter desonestidade na equação da relação e prefere lidar às claras com a questão. E dois: porque a tecnologia tem trazido para a superfície coisas que outrora ficavam muito bem escondidas em alguma plataforma ou dispositivo que não andava no nosso bolso.

De um jeito ou de outro, hoje é muito válido ter uma opinião sobre o assunto e, claro, que ela corresponda ao que você aplica na sua vida.

E aí, o que você pensa sobre traição? O que é traição pra você e principalmente: seu cônjuge sabe como você pensa? Concorda ou discorda de você?

Às vezes, é um pouco desconfortável entrar nessa conversa com o parceiro ou a parceira logo de cara, mas conversar com os amigos funciona pra quebrar o gelo e dar uma treinada no jeito de apresentar sua opinião. Porque é claro que você pode fingir que não pensa no assunto e que ele só está em alta da porta pra fora, mas a verdade é que infidelidade é um problema sistêmico e, se não te afeta diretamente, afeta seus familiares, seus amigos, vizinhos, professores, colegas. E, desculpa dizer isso, pode te afetar algum dia.

Nós estamos querendo demais dos casamentos. Como bem diz Esther Perel. Queremos a alegria, parceria, desejo, tesão, amor… Tudo pra sempre. Um pra sempre que tem ficado cada vez mais curto tamanhas as exigências que fazemos.

Um bom começo de conversa pode ser separar infidelidade e traição e não só definir as bordas da relação, como falar do assunto em tese, de forma filosófica. E se fazer a pergunta: como a gente faz pra ficar junto por muito tempo, manter a chama e o botão do desejo ligado?

Veja também

    Hoje tem muito casamento sobrevivendo a problemas relativos a infidelidade justamente porque já não se espera tanto do outro. Já não se espera amor, desejo e sexo exclusivo eterno. Os mais sábios (palmas pra eles!) estão conseguindo lidar com o assunto de uma maneira menos drástica e discutir a questão de peito aberto, assumindo a humanidade que há em nós. Sim, porque transar com pessoas fora da relação é uma realidade. Fisgue nosso coração ou não.

    Não tô dizendo que falar do assunto blinda as pessoas de sofrerem de morte quando descobrem que o parceiro ou a parceira ficou, transou ou está de teretetê sensual pelo zap. É sempre uma paulada. Mas a gente pode se preparar pra ela como se prepara pra pegar chuva em Ubatuba. Você não quer que aconteça, mas em todo caso é sempre bom levar o Dixit e o baralho.

    Uma coisa que tenho achado importante nesse preparo para lidar com a traição é, mesmo nos momentos de desconfiança latente, não olhar o computador ou o celular do outro. Um nude do amante ou uma frase fofa da fulaninha pode nos quebrar ao meio, enquanto "apenas" ficar sabendo do fato (em tese, sem provas cabais) te poupa da facada visual.

    Sei que falar é mais fácil do que fazer, mas tente de tudo. Até mesmo dizer: "Tô com muita vontade de olhar o seu celular. O que eu faço?" Se resguarde. Resguarde a relação (se você gosta dela) e bora buscar uma sinceridade que até então não foi muito treinada. Sim, porque a nossa cultura emocional e sexual nos ensina que devemos esconder a infidelidade e o desejo, diz que mentir até as últimas consequências é o melhor a fazer.

    Pois está na hora de questionar esse modus operandi. Não tô dizendo que devemos jogar no outro tudo que passa na nossa cabeça, mas um pouco de transparência pode nos levar a um caminho mais harmonioso.

    Sintonia é uma coisa que exige um certo esforço. Exige treino, ensaio e dedicação. A harmonia pode até sobreviver a um caso extraconjugal, mas muitas vezes ela se espedaça frente a uma cultura de mentira, enganação e meias verdades.

    ** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

    Sobre a autora

    A jornalista Lia Bock começou a blogar em 2008, no site da revista TPM, onde foi também redatora-chefe. Passou por publicações como Isto É, Veja SP e TRIP e foi colunista de sexo da GQ. Hoje, é editora da plataforma Hysteria e produtora de conteúdo freelancer. É autora de "Manual do Mimimi: do casinho ao casamento (ou vice-versa)” e do "Meu primeiro livro". É mãe de quatro e sócia do ex marido no canal Ex-casados.

    Sobre o blog

    Um espaço para pensatas e divagações sobre sexo, filhos, coração partido, afetações apaixonadas e o espaço da mulher no mundo.

    Blog da Lia Bock