PUBLICIDADE

Topo

Guerra de narrativa do coronavírus: fico em casa ou compro uma bicicleta?

Lia Bock

26/03/2020 04h00

(iStock)

Coronavírus bombando pelo mundo. Mais de 7 mil mortos na Itália (e subindo). Hospitais de campanha sendo construídos em estádios. O preço está congelado, mas a verdade é que não tem mais álcool gel pra comprar. "Esse vírus é o inimigo público número 1 neste momento", disse Tedros Ghebereyesus, diretor-geral da OMS (Organização Mundial da Saúde). 

O Japão não fez quarentena e tem poucos mortos. O remédio vai ser pior que a doença. O presidente vai ao microfone pra desqualificar tudo que vem sendo dito por especialistas, lideranças e por seu próprio ministro da Saúde. O general que estava confinado voltou ao trabalho na mesma hora.

O governador do Rio de Janeiro mandou fechar. O prefeito do Rio de Janeiro mandou abrir. 

Tudo que a gente queria era uma liderança sólida que nos guiasse por um caminho sensato. Se não o melhor, ao menos um caminho possível que poupasse a maior quantidade de vidas e não nos jogasse na miséria completa. É pedir muito?

Mas, em vez disso, estamos vivendo uma guerra de narrativas.

Uma pandemia dessa escala pede uma organização que o Brasil de Bolsonaro está mostrando não ter. A surpresa e força com que o coronavírus chegou pede ações certeiras que o país, que não taxa grandes fortunas, está mostrando ser incapaz de fazer. 

Veja também

Enquanto os meninos de gravata se alfinetam via Twitter, lives e eternas entrevistas coletivas, o brasileiro não sabe se usa máscara ou compra uma bicicleta. 

Seria deprimente se não fosse desesperador. 

Deixar a decisão de fazer quarentena ou não na mão das pessoas e empresas é uma temeridade. Não estamos falando de feriado facultativo – estamos lidando com vidas, medos e diferenças gigantescas de acesso a médicos, a saneamento básico e planos de saúde.

É claro que o dono de grandes negócios quer que todo mundo volte a trabalhar. Dificilmente ele estará entre os que se acotovelam para usar um respirador. Aliás, vocês repararam que só os políticos têm confirmação para coronavírus? Sim, porque só eles conseguem fazer o teste sem estar à beira da morte. Para nós, restantes dos mortais, os testes estão ultracontrolados e só são feitos em quem precisa de internação.  Estamos aqui com dor de cabeça e falta de ar lidando com a dúvida de se é coronavírus ou tensão com os notícias que vêm de Brasília, enquanto eles estão lá, batalhando em meio a suas provas e contraprovas com resultado que sai no dia seguinte. 

Dá uma sensação de que somos espectadores da nossa própria desgraça, não dá? Somos os confinados de um jogo chamado Brasil, onde a sorte está lançada e pagaremos com a vida a descoordenação daqueles a quem deveríamos chamar de líderes. 

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre a autora

Comentarista na CNN Brasil, a jornalista Lia Bock começou a blogar em 2008 no site da revista "TPM", onde foi também editora-chefe. Passou por publicações como "Isto É", "Veja SP" e "TRIP". É autora dos livros "Manual do Mimimi: do casinho ao casamento (ou vice-versa)” e do "Meu primeiro livro", ambos editados pela Companhia das Letras. É mãe de quatro filhos e pode ser encontrada no Instagram @liabock e no Twitter @euliabock

Sobre o blog

Um espaço para pensatas e divagações sobre notícias, sexo, filhos, coração partido, afetações apaixonadas e o que mais parecer importante ao universo feminino.

Blog da Lia Bock