Topo
Lia Bock

Lia Bock

Assistir aos jogos da seleção feminina de futebol é um ato político

Lia Bock

06/06/2019 11h43

iStock

Se a prática de assistir aos jogos da seleção masculina de futebol pode ser analisada como uma alienação dos reais problemas do país, ligar a TV no domingo às 10h30 da manhã para ver as meninas representarem o Brasil na França é um ato que representa o exato oposto desse cenário. 

Deixar de lado a (tradicional) preguiça de acompanhar os jogos femininos e botar a vuvuzela na janela é uma atitude política no que diz respeito à luta pela igualdade de gênero, no esporte e fora dele.

Este é o primeiro ano em que os jogos serão transmitidos ao vivo pela TV aberta. Band e Globo chamaram pra si essa responsa e parecem ter entrado de cabeça no que deve ser a virada de anos de diminuição e exclusão.

Não é segredo pra ninguém que mesmo tendo seis títulos de melhor do mundo, Marta não tem o tratamento e nem o salário de jogadores que, muitas vezes, nunca trouxeram um premiozinho pra casa.

Também vale lembrar que entre 1941 e 1983 o esporte foi proibido para mulheres. Foram longos 41 anos de escanteamento com justificativa torpe. O Decreto-Lei 3199 imposto durante o governo de Getúlio Vargas trazia o artigo 54, que dizia que "as mulheres estavam proibidas de praticar qualquer esporte que fosse contra sua natureza". Não especificava as modalidades, mas era óbvio que o futebol, já muito popular na época, estava entre eles. Isso porque modalidades consideradas violentas ou de impacto poderiam causar infertilidade e, na visão daquela sociedade patriarcal, a mulher servia mesmo era pra reproduzir.

Claro que quando o esporte voltou à luz da permissão social as mulheres tinham 41 anos de atraso e, vejam, não foi porque um decreto dizia que a partir de então elas poderiam jogar que todo mundo aceitou que suas filhas treinassem. A primeira, a segunda, talvez até a terceira geração de meninas que queriam ser boleiras foram duramente reprimidas. Muitas tiveram que romper com a família para seguir o sonho. Outras foram vetadas nas escolinhas onde só tinha menino.

E é claro que neste cenário não se valorizavam as jogadoras profissionais. Por lei, elas podiam trabalhar, mas a sociedade não via com bons olhos, a televisão não transmitia e as marcas não patrocinavam. Ou seja, era uma proibição velada.

É por isso que 2019 é um ano tão importante. Projetos de marcas já tradicionais patrocinadoras do futebol masculino estão colocando dinheiro e energia nas categorias de base. E a TV vai transmitir com pompa.

E voltando ao motivo deste texto: a nossa parte, como espectadores e país do futebol, é ligar a televisão, vibrar, fazer barulho, twittar e comentar nas mesas de bar. É dar a importância que nunca demos e, daqui em diante, fazer essa reparação histórica.

Aprender quem são as jogadoras e curtir o estilo de jogo feminino vai ser um exercício (importante) e terá um grande impacto não só no que diz respeito ao futebol feminino, mas à igualdade de gênero tão maltratada por nossos conterrâneos.

Não somos chocadeiras e nem temos habilidade nata para cuidar da casa e da família. Fomos treinadas pra isso e agora estamos exercitando outras habilidades. Jogamos bola, lideramos equipes, entedemos de economia e tecnologia. Somos cientistas, árbitras, alterofilistas, boxeadoras e o que mais desejarmos.

Basta dedicação, investimento, aceitação e respeito social. A partir de amanhã (7 de junho) e até a final (7 de julho) ligue a TV, assista aos jogos do Brasil e também aos outros e repita o mantra: lugar de mulher é onde ela quiser.

 

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre a autora

A jornalista Lia Bock começou a blogar em 2008, no site da revista TPM, onde foi também redatora-chefe. Passou por publicações como Isto É, Veja SP e TRIP e foi colunista de sexo da GQ. Hoje, é editora da plataforma Hysteria e produtora de conteúdo freelancer. É autora de "Manual do Mimimi: do casinho ao casamento (ou vice-versa)” e do "Meu primeiro livro". É mãe de quatro e sócia do ex marido no canal Ex-casados.

Sobre o blog

Um espaço para pensatas e divagações sobre sexo, filhos, coração partido, afetações apaixonadas e o espaço da mulher no mundo.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog da Lia Bock