PUBLICIDADE

Topo

Fiscais de Instagram e comentaristas de portal: por favor, cresçam!

Lia Bock

23/06/2018 12h58

(iStock)

Georgina Rodriguez, a namorada de Cristiano Ronaldo, posta aquela tradicional foto em frente a Catedral de São Basílio, na Praça Vermelha, em Moscou e alguns dos seguidores se dão ao trabalho de comentar dizendo que ela está mal vestida. Viviane Araújo posta uma foto na academia e parte de seus seguidores escreve que ela está… feia. Nina Lemos faz um texto questionando as musas da Copa e os comentaristas do portal retrucam a "acusando" de… feia. Eu faço um texto sobre separação (flores ou qualquer outro assunto) e meus amados haters comentam dizendo que sou horrorosa.

Amiguinhos, é isso mesmo? Chamamos de feias as mulheres das quais discordamos? Brincamos de "certo ou errado" com a roupa e as plásticas das minas do Instagram? Quando foi que viramos todos juízes do look e do corpo alheio? E mais não é porque há caixa de comentários em blogs, notícias e redes sociais que devemos falar as bobagens que falamos para o espelho.

Não tem problema achar uma plástica exagerada ou questionar a roupa de alguma celebridade, mas daí a publicar isso deveria haver uma longa distância. Sabe aquela premissa: tem coisa que a gente pensa, mas não fala? Pois ela cabe muito bem aqui.

Onde foi parar nossa maturidade? Nosso bom senso e nossa noção da realidade? Discordar de uma mulher e tentar agredi-la dizendo que ela é feia só mostra que seu cérebro não é capaz de articular argumento adulto e com qualidade suficiente para manter a discussão. Neste caso, não fale nada. É melhor.

E se você é do tipo fiscal de Instagram que fica apontando defeito nas pessoas, talvez valha uma autoanálise. Esse gosto pela destruição do outro pode falar muito sobre você mesmo.

Eu sei que e internet é uma ferramenta relativamente nova no universo e ainda estamos em fase de reconhecimento. Sei que talvez levem séculos para sermos homo sapiens realmente adaptados às caixas de comentários, mas vamos fazer um esforço? Tenho certeza que podemos bem mais.

 

Sobre a autora

Hoje comentarista na CNN Brasil e editora da plataforma Hysteria, a jornalista Lia Bock começou a blogar em 2008 no site da revista "TPM", onde foi também redatora-chefe. Passou por publicações como "Isto É", "Veja SP" e "TRIP". É autora dos livros "Manual do Mimimi: do casinho ao casamento (ou vice-versa)” e do "Meu primeiro livro", ambos editados pela Companhia das Letras. É mãe de quatro filhos e também colunista da revista "Crescer".

Sobre o blog

Um espaço para pensatas e divagações sobre notícias, sexo, filhos, coração partido, afetações apaixonadas e o que mais parecer importante ao universo feminino.

Blog da Lia Bock