Topo
Lia Bock

Lia Bock

Histórico

O que acontece se o atual virar ex?

Lia Bock

07/05/2018 04h00

(iStock)

Depois que comecei um canal sobre separação no YouTube, muita gente tem me procurado para saber como se separar numa boa. Seria ótimo se tivesse uma receita pronta ou um roteiro infalível a ser seguido. Mas tudo depende do casal, dos motivos da separação, se ela é consensual ou unilateral e por aí vai.

Mas uma coisa maravilhosa que o Ivan, meu ex-marido e sócio no canal ex-casados, fala é: "o melhor jeito de separar direito é casar direito". Amo essa frase. E se a gente destrinchá-la, chegará numa resposta bem simples para a pergunta: o que acontece se meu atual companheiro ou companheira virar ex?

Seu marido ou mulher vive brigando no trânsito? Berra com familiares e se desentende com frequência com colegas de trabalho? Já bateu boca com diversos vizinhos e perdeu alguns amigos pelo caminho? Costuma tretar na reunião da escola ou transforma qualquer desentendimento de casal em guerra? Bom, neste caso é bem provável que na hora que vocês se separarem esse comportamento se repita. Não estranhe se ele (ou ela) trovejar, te xingar ou te amaldiçoar de várias formas.

Lembre: as pessoas nunca melhoram quando se separam. Podem até se tornar seres mais evoluídos no que diz respeito a relacionamentos futuros, mas com o que ficou pra trás, o mais provável é mais do mesmo ou… o mesmo um pouco piorado.

Então, meus amores, esqueçam aquele papo de "tô namorando um cara superciumento, mas quando a gente casar ele se acalma". Não tem nada disso. Esse negócio de que "quando casar sara" servia só pra jogar as nossas avós no colo do primeiro bofe que aparecesse. Naquele tempo, mulher era um peso, um custo – e claro, a maneira e fazer herdeiros. Fuja de namorados superciumentos enquanto é tempo. Ciúme não é amor.

Eu sei que seria lindo acreditar na evolução da raça humana e esperar o melhor das pessoas sempre. Mas quando estamos falando de separação, espere sempre o pior. E se seu companheiro ou companheira já demonstra desequilíbrio, nervosismo, insegurança, violência e afins na relação, não espere que outra coisa apareça no divórcio. Sinto muito.

Mas veja, se você está pensando em se separar, não veja este texto como um desestímulo. Pelo amor de Deus! Pelo menos depois de divorciados nada daquilo mais será seu (olha que bom). Abra seu escudo anti-merda e acredite que ali na frente seremos todos mais felizes.

 

 

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre a autora

A jornalista Lia Bock começou a blogar em 2008, no site da revista TPM, onde foi também redatora-chefe. Passou por publicações como Isto É, Veja SP e TRIP e foi colunista de sexo da GQ. Hoje, é editora da plataforma Hysteria e produtora de conteúdo freelancer. É autora de "Manual do Mimimi: do casinho ao casamento (ou vice-versa)” e do "Meu primeiro livro". É mãe de quatro e sócia do ex marido no canal Ex-casados.

Sobre o blog

Um espaço para pensatas e divagações sobre sexo, filhos, coração partido, afetações apaixonadas e o espaço da mulher no mundo.