Topo
Lia Bock

Lia Bock

Como ser uma boa mãe

Lia Bock

21/09/2017 04h00

(Foto: Getty Images)

Primeiro: minta. Minta muito. Porque só mentindo conseguimos ser elevadas a este posto que ninguém sabe, de fato, como alcançar.

Diga que seus filhos são sempre ótimos, que eles não acordam à noite, que não quiseram pegar a chupeta e que nunca falaram palavrão. E claro, faça cara de: "eu não fiz nada pra que isso acontecesse, foi natural, eles vieram assim". Porque boas mães não se esforçam, elas apenas são.

Em todas as oportunidades que tiver diga que eles nunca morderam ninguém na escola e que vão pro banho na primeira vez que você fala: "hora do banho!". Aliás, filhos de boas mães adoram banho.

Segunda dica: escolha bem os lugares que você vai frequentar. Jamais leve as crianças a um restaurante, por exemplo. Lembre que quem não vai a restaurantes não tem aquele problema de ver o filho chilicando contra o tédio. Também não leve os pequenos a supermercados, porque daí você jamais precisará argumentar enfaticamente com eles sobre o porque não vamos comprar a bala azul. Boas mães não compram balas azuis.

Também não deixe que eles levem brinquedos em lugar algum, porque assim eles não vão precisar dividir e consequentemente você não vai precisar lidar com esse problema.

Quando eles estiverem mais crescidos, não deixe que andem sozinhos na rua, assim você não precisará acionar todos os seus contatos (e os deles) em franco desespero quando demorarem o dobro do tempo para fazer um percurso. Desespero não combina com boa mãe. Desespero é coisa de quem toma atitudes erradas.

Boas mães também não fazem uso de refrigerante e nem comem chocolate. Dessa forma, seus filhos nem saberão o gosto e você pode dizer que "eles não ligam pra isso".

Matricule-os numa escola com mais de 35 alunos por sala e várias classes por ano, assim a professora e a coordenação não vão conseguir nem reparar nos pobres coitados e eles serão sempre "ótimos".

Minta para eles também: diga por exemplo que todas as comidas que veem em caixa causam a queda das mãos. Assim, quem sabe, eles ficam com o brócolis e a chia.

E pensando bem, talvez para ser uma boa mãe seja melhor ter um filho só, porque assim você não tem que lidar com o fato de que eles brigam um com o outro na frente das pessoas. Boas mães têm filhos que se amam, se abraçam e dividem o pote de pipoca.

Ou… Seja sincera consigo, com o mundo e com as crianças. Desista de ser uma "boa mãe" e se orgulhe da humanidade que nos une. E que tal se em vez de "boa mãe", for: VOA, MÃE! '-)

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre a autora

A jornalista Lia Bock começou a blogar em 2008, no site da revista TPM, onde foi também redatora-chefe. Passou por publicações como Isto É, Veja SP e TRIP e foi colunista de sexo da GQ. Hoje, é editora da plataforma Hysteria e produtora de conteúdo freelancer. É autora de "Manual do Mimimi: do casinho ao casamento (ou vice-versa)” e do "Meu primeiro livro". É mãe de quatro e sócia do ex marido no canal Ex-casados.

Sobre o blog

Um espaço para pensatas e divagações sobre sexo, filhos, coração partido, afetações apaixonadas e o espaço da mulher no mundo.

Mais Blog da Lia Bock