Lia Bock

Categorias

Histórico

Separação também é sinal de que o casamento deu certo

Lia Bock

12/07/2017 04h00

(Foto: Getty Images)

Dia desses, falando de parcerias, um amigo deu exemplos de casamentos que não deram certo. Num deles, apontou um casal que passou 12 anos juntos, teve dois filhos e tem uma guarda compartilhada respeitosa. Eu estranhei. Afinal, pra mim, aquele casamento deu supercerto. Foram anos de cumplicidade e amor e uma separação consensual. Os filhos são bacanas e eles nunca brigaram seriamente por dinheiro.

Um casal que tentou driblar os problemas com afinco, mas um dia, quando sentiu que não havia mais o que viver junto, resolveu se separar. Isso faz de um casamento um fracasso? Isso faz uma história bacana ser jogada na caixinha do “não deu certo”? Jura?

O amor é uma coisa incrível e, como disse o pai de uma amiga, o casamento pode ser uma obviedade maravilhosa. Dividir a casa, as contas, as goteiras e as gargalhadas com alguém é tão mágico quando custoso. É vitória. É tranquilidade e maremoto. Passar anos ao lado de uma pessoa, fazer planos, economizar cada centavo para aquela viagem e arrumar o quarto do filho que está por vir, tudo com alegria e parceria já é dar certo.

Mas se o casamento acaba tudo perde a validade? Tipo: volte ao começo do tabuleiro? Gente, tem tanto casamento que nunca acabou e não deu certo. Olhem em volta.

A medida desse “dar certo”, quando falamos de parcerias matrimoniais, não pode estar apenas na contagem do tempo junto. É preciso incluir outras coisas. Quantas vezes esse casal fuçou as coisas um do outro num deliberado ato de desrespeito atrás de algo que justificasse os problemas? Quantas vezes esse casal de divertiu junto e se olhou com cumplicidade? Quantas vezes trouxe um assunto difícil pra mesa e saiu dela com a leveza dos que falam a verdade?

E, claro: nem sempre não se separar é sinal de vitória. A época em que a gente pensava assim já passou, né? Lembremos que há poucos pares de décadas, as mulheres preferiam dizer que eram viúvas do que divorciadas. Tinham vergonha porque o casamento “não tinha dado certo”.

O mundo mudou e hoje podemos dizer que alguns casamentos deram certo apesar de terem terminado. Pode parecer um preciosismo bobo, mas não é. Dizer que algo não deu certo porque aconteceu de uma maneira diferente do que espera a tradição é um tipo de desrespeito ao diferente. E, claro, alguns casamentos não dão certo mesmo. Sorte dos que percebem e colocam um fim no que não está legal. Nem todos conseguem.

Sobre a autora

A jornalista Lia Bock começou a publicar os textos sobre relacionamento que escrevia desde a adolescência em 2008, no site da revista TPM, onde se tornou redatora-chefe. Passou por publicações como Isto É, Veja SP e TRIP e foi colunista de sexo da GQ. É autora do livro "Manual do Mimimi: do casinho ao casamento (ou vice-versa)". Já morou em Pirenópolis e em Londres. Nasceu em 1978 e é mãe de dois meninos.

Sobre o blog

Um espaço para pensatas e divagações sobre sexo, filhos, coração partido, afetações apaixonadas e o espaço da mulher no mundo.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Blog Lia Bock
Topo