menu
Topo
Lia Bock

Lia Bock

Categorias

Histórico

Descriminalização do aborto na Argentina: golaço fora da Copa

Lia Bock

14/06/2018 14h54

(iStock)

E no dia que a Copa do Mundo dá seu pontapé inicial a Argentina marca um golaço político. Coincidências à parte, nesta madrugada, muitas das mulheres que nunca puderam comemorar o título mundial (porque nasceram depois de 1986, última vez em que o país foi campeão) lotaram as ruas e vibraram como se, finalmente, acabassem com o jejum de 32 anos.

Só que o jejum que elas quebraram é muito maior do que o futebolístico. Claro. A descriminalização do aborto faz justiça há séculos de opressão contra a mulher, há séculos de controle estatal de nossos corpos e a uma lógica imposta de que um acumulo de células vale mais do que a vida de uma mulher.

Hoje, somos todas Argentina. Somos todas hermanas em êxtase pelo país vizinho que, em nosso nome, deixou pra trás uma lei retrógrada e machista, que condenava mulheres que decidiam interromper a gravidez a até quatro anos de prisão.

Claro que a lei ainda precisa passar pelo Senado e ser sancionada pelo presidente. E exatamente por isso, seguiremos todas azul e branco, torcendo e gritando "dale, dale Argentina!". Estaremos todas de braços dados aguardando pela sacramento final da vitória histórica que nos devolve o poder sobre os nossos corpos. Sim, devolve, porque ele já foi nosso. Na Antiguidade, a mulher não apenas decidia se queria levar a gravidez adiante, como conhecia os métodos naturais para interrompê-la caso desejasse.

Gosto sempre de falar sobre a perseguição a estes métodos (muito bem explicada no livro "O Calibã e a Bruxa", da italiana Silvia Federici). Resumindo bem: primeiro, os métodos foram proibidos; depois, as detentoras dessas informações, perseguidas e queimadas como bruxas, e, na sequência, a gravidez foi santificada e tratada como algo que não pertence à mulher.

Pois hoje, cada uma de nós pode se unir às hermanas e sentir o gostinho, mesmo que de longe, de poder deliberar sobre o próprio corpo.

Dale, dale Argentina!

Sobre a autora

A jornalista Lia Bock começou a blogar em 2008, no site da revista TPM, onde foi também redatora-chefe. Passou por publicações como Isto É, Veja SP e TRIP e foi colunista de sexo da GQ. Hoje, é editora da plataforma Hysteria e produtora de conteúdo freelancer. É autora de "Manual do Mimimi: do casinho ao casamento (ou vice-versa)” e do "Meu primeiro livro". É mãe de quatro e sócia do ex marido no canal Ex-casados.

Sobre o blog

Um espaço para pensatas e divagações sobre sexo, filhos, coração partido, afetações apaixonadas e o espaço da mulher no mundo.